PARAÍBA

Operação Hades: Polícia Civil desarticula ‘braço’ mais forte de facção criminosa do RJ na Paraíba

O criminoso, conhecido por Dudu Morte entrou em confronto com policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) na manhã desta segunda-feira, 20 de março, no município de Alcantil, foi atingido e não resistiu aos ferimentos.

Foto: Instagram

A Polícia Civil da Paraíba tirou de circulação mais um chefe do crime organizado no estado. Desta vez, o alvo foi responsável por vários assassinatos ocorridos em janeiro deste ano em João Pessoa, durante guerras entre facções. O criminoso entrou em confronto com policiais da Delegacia de Repressão ao Crime Organizado (DRACO) na manhã desta segunda-feira, 20 de março, no município de Alcantil, foi atingido e não resistiu aos ferimentos.

Denominada Operação Hades, a investigação contou com a participação da Delegacia de Roubos e Furto de Veículos e Cargas da capital (DRFVC) e a Polícia Civil de Pernambuco. Eduardo Ferreira dos Santos, conhecido como “Dudu da Morte”, costumava viajar para o Rio de Janeiro, onde participava de uma espécie de “treinamento do crime organizado”. No seu último retorno à Paraíba, ele assumiu o posto de representante – em território paraibano – da facção criminosa que predomina no RJ.

“A partir daí, ele passou a ser ‘linha de frente’ na guerra entre facções em João Pessoa, no início deste ano, cometendo vários homicídios na capital do estado. A logística dele era cometer os crimes em João Pessoa e se refugiar em uma propriedade na zona rural de Alcantil. Podemos dizer, sem sombra de dúvidas, que até o momento esta é a desarticulação mais importante do ano para a Paraíba, no contexto de segurança pública”, disse o delegado Diego Beltrão.

Presídios federais

‘Dudu da Morte’ tinha extensa ficha criminal e era muito conhecido das polícias e da justiça. Em 2012, ele foi transferido para o presídio federal de Mossoró, no Rio Grande do Norte, e dois anos mais tarde passou a cumprir pena no presídio federal de Campo Grande (MS), devido ao seu grau de periculosidade.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo